Artigos

Necessidades básicas de nutrição das crianças






Muitos mães superestimam a quantidade de alimentos que seus filhos devem consumir. Devido à redução do crescimento físico, uma criança de 2 anos pode, na verdade, comer menos que um bebê de 9 meses. A maioria das crianças consegue sobreviver e até mesmo desenvolver-se comendo pouco mais que nada – pelo menos é o que parece. Uma criança de 2 anos precisa realmente de apenas oito ou nove garfadas (ou mordidas) de alimento por refeição.

Como regra geral, uma criança pequena necessita consumir somente de 900 a 1.200 calorias por dia (cerca de 102 calorias por quilo de peso), e isso resulta em um volume surpreendente reduzido de comida. As crianças devem ingerir, em cada refeição, uma colher de sopa de alimentos -de vários grupos- por ano de idade. Uma criança de 3 anos, por exemplo, precisa de três colheres de sopa de alimentos bem balanceados em cada refeição. Muitas crianças “esticam” essa proporção ao longo de várias refeições, comendo menos em algumas e mais em outras. Esse processo pode estender-se durante diversos dias.
Não supervalorize a forma como seu filho se alimenta. É responsabilidade dos pais providenciar refeições saudáveis para seus filhos, e fica por conta dos pequenos decidir o quanto comer em cada refeição.

Cuidado: não caia na armadilha de contar o número de calorias que seu filho consome. A alimentação dele no decurso de várias semanas ou vários meses é mais importante que a comida que ele ingere em uma única refeição ou mesmo durante um dia inteiro. Pesquisas demonstram que as crianças pequenas possuem a habilidade inata de consumir o volume correto de calorias e de nutrientes necessários a sua sobrevivência quando se vêem diante de uma variedade de alimentos saudáveis. Se você se preocupa com a quantidade de vitaminas e de sais minerais existentes na alimentação de seu filo, consulte o pediatra e siga as recomendações dele.

Grãos

As crianças pequenas precisam de cinco ou seis porções diárias de grãos. Os pães de trigos são mais benéficos que os pães brancos e as bolachas sem óleos hidrogenados são mais saudáveis do que suas similares que contem óleos. Os grãos abrangem pães, massas, biscoitos e bolachas, cereais, mingaus e farinhas de aveia e arroz.

Frutas e vegetais

Sirva a seu filho duas ou três porções de vegetais por dia. Algumas crianças preferem certos vegetais e frutas a outros, mas você deve continuar a oferecer novos componentes desse grupo alimentar para manter o interesse de seu filho e também para variar bastante o “cardápio”. Muitas crianças recusam a casca de frutas como maçãs e pêssegos. As fibras contidas nas frutas e nos vegetais frescos fazem valer a pena o cuidado de oferecer a maior variedade possível desses alimentos.

Laticínios

Limite o consumo diário de laticínios de seu filho ao equivalente a duas ou três porções de 237 a 355 mililitros de leite. Por volta dos 12 meses de idade, as crianças passam a substituir gradativamente o leite materno ou a mamadeira pelo leite integral de vaca. Algumas crianças se adaptam logo ao novo tipo de leite, enquanto outros precisam de alguma preparação para aceita-lo, como aquecimento ou acréscimo de um achocolatado. Recomenda-se moderação especial com relação a este último aditivo. Outros laticínios que podem ser adotados na dieta diária da criança são iogurtes, sorvetes e queijos sem gorduras.

Cuidado: consulte o pediatra caso seu filho esteja consumido laticínios em proporções diárias maiores ou menores que as recomendadas. Ele pode sugerir a troca do leite integral por leite desnatado para prevenir o excesso de peso ou um suplemento à base de cálcio para garantir o consumo mínimo necessário desse mineral.

Proteínas

As crianças precisam de duas a quatro porções diárias de proteínas. Todas as porções devem pesar entre 28 e 57 gramas. Ofereça apenas carnes magras. As proteínas estão presentes nos ovos, nas carnes, nos derivados de soja e nos feijões.

Alimentes a evitar

  • Alguns alimentos, como pipoca, cachorros quentes e amendoins, podem provocar engasgo e sufocação e devem ser totalmente evitados até que a criança complete pelo menos 4 anos de idade. Outros alimentos, como mel, às vezes causam reações alérgicas em algumas crianças. Restrinja o acesso aos seguintes alimentos-e também seu consumo:
  • Fast-food. Ofereça esse tipo de refeição apenas uma vez por semana ou menos. Esse estilo de comer habitua perigosamente a criança ao consumo de alimentos ricos em calorias e muito poucos nutritivos.
  • Doces. Devem ser servidos em ocasiões especiais, uma ou duas vezes por semana, ou eventualmente, como sobremesa. Nunca dê balas nem doces redondos e duras a seu filho, pois ele poderá engasgar e sufocar-se.
  • Sobremesas. Devem constar das refeições poucas vezes por semanas. A sobremesa pode ser diária se você oferecer opções nutritivas, como iogurtes e frutas.

Opções de alimentos líquidos

Todas as crianças precisam de alimentos líquidos para hidratar-se e crescer de forma adequada. Muitas crianças consomem vários tipos de bebida também durante as refeições para “empurrar” a comida.
A melhor técnica para ensinar seu filho a ingerir apenas bebidas saudáveis é sem dúvida o exemplo. Quanto mais os pais tomarem líquidos benéficos, como leite ou água, durante o dia e na hora das refeições, é bem provável que a criança faça o mesmo. Procure dar a seu filho, as bebidas indicadas a seguir.

Leite

Apresenta a seu filho o leite de vaca, como opção, quando ele completar 1 ano de idade. Use leite integral até que a criança tenha pelo menos 2 anos. Depois disso, você pode optar por leite desnatado ou semidesnatado conforme a preferência da família. Como regra geral, seu filho deve consumir no mínimo 473 mililitros de leite (ou outros laticínios) por dia.
Os leites alternativos, como soja e de arroz, podem ser consumidos após 2 anos de idade desde que tenham acréscimo de vitaminas e sais minerais. O leite de vaca é mais rico em nutrientes, por isso apresenta vantagens sobre os demais - exceto se a criança for alérgica a ele.

Água

Seu filho deve tomar uma ou duas canecas de água por dia (ou 100 mililitros por quilo de peso) para manter-se hidratado. Caso a criança tenha dificuldades para ganhar peso, é recomendável que consuma leite integral, em vez de água, ao longo do dia.

Sucos

Os sucos tornam-se tema de muitos debates entre os especialistas em nutrição infantil. Seu consumo exagerado pode causar diarréias ou favorecer o surgimento de problemas de peso. Além disso, os sucos contêm poucos nutrientes e quase sempre recebem o acréscimo de açúcar, o que muitas vezes atrai a criança e provocar nela o vício pelos vários sabores doces além de dar a sensação prematura de saciedade.
Seu filho não deve tomar mais que 60 a 120 mililitros de suco por dia. Você pode oferecê-lo logo pela manhã, mas em seguida mude para leite ou água até a hora de jantar.

Como reduzir o consumo do suco

Caso seu filho tome mais suco do que é recomendável e recuse outras bebidas, adote os procedimentos sugeridos abaixo para reduzir esse consumo e aumentar a ingestão de água.

  • Sirva apenas um pouco de suco pela manhã.
  • Encha uma caneca com metade de suco e a outra metade de água e ofereça a seu filho durante o dia.
  • Aumente a proporção de água para três quartos e diminua a de suco para um quarto (ou menos) e dê essa mistura a seu filho à noite.
  • Não permita que a criança se retire da mesa levando sua caneca de suco. Diga-lhe que precisa permanecer à mesa até esvaziá-la.

 

Bebidas a evitar

Restrinja apenas a ocasiões especiais e a festas o acesso da criança a refrigerante, sucos de frutas, refrescos industrializados e leites com malte e outros aditivos. As bebidas que contêm cafeína devem ser totalmente evitadas pelo menos até os 2 anos de idade.


Artigos Relacionados
  • A alimentação das crianças
  • Cólicas em bebês


  •  
    © 2012 Nômade Informática - Todos os direitos reservados. Design: Criativo Estúdio